Maria Fernanda
31 anos
Rio de Janeiro / Recife
email

Meu Fotolog

Eu leio

abobrinha
bocozices
montanha russa
meu outro eu
mudando de assunto
ornitorrinco
penso logo hesito
pururuca
mary w

 

Gulinias Antigas


Dezembro 2003

Janeiro 2004

Fevereiro 2004

Março 2004

Abril 2004

Maio 2004

Junho 2004

Julho 2004

Agosto 2004

Setembro 2004

Outubro 2004

Novembro 2004

Dezembro 2004

Janeiro 2005

Fevereiro 2005

Março 2005

Abril 2005

Maio 2005

Junho 2005

Julho 2005

Agosto 2005

Setembro 2005

Outubro 2005

Novembro 2005

Dezembro 2005

Janeiro 2006

Fevereiro 2006

Março 2006

Abril 2006

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Março 2007

Abril 2007

Maio 2007

Junho 2007

Julho 2007

Agosto 2007

Outubro 2007

Novembro 2007

Dezembro 2007

Janeiro 2008

Fevereiro 2008

 


Powered by Blogger




 


   27.4.04  
Como alguém consegue fazer um bom filme com apenas três diálogos?


O Tarantino conseguiu





   23.4.04  
I used to love him but I had to kill him

E aí hoje assistindo MTV me deparei com um show das antigas do Guns and Roses. Me lembrei de quando eles vieram pela primeira vez aqui ao Rio e fizeram dois shows no Maracanã no Rock in Rio II.

Então eu lá de bandana na cabeça, feliz e contente pra ver de perto o lindo e maravilhoso Axl Rose, com seu shortinho à lá dançarinas de grupo de axé, bota e meia (na época eu não tinha essa noção de como ele era ridículo e adorava imitá-lo no clip de Patience).

Eu era tão fanzoca que na hora que ele tocou Patience eu perturbei tanto um cara que estava perto de mim que ele deixou eu subir no ombro dele pra eu poder ver bem aquela loira histérica. Eu era um fedelha de, sei lá, 14 anos, delirando com o Slash tocando a música do Poderoso Chefão na guitarra e Axl Rose dando piruetas no palco ao som de Live Let Die.

Aí depois teve aquele outro Rock in Rio que ressuscitaram a banda achando que iria fazer o mesmo sucesso de antes. No palco uma baleia loira ainda de shortinho, jaqueta e bota que nem conseguia se locomover direito. O guitarrista era uma espécie de Mister M, uma tristeza. Que bom que eu já tinha discernimento e uma certa idade e nem me abalei com aquele espetáculo de horrores.





   22.4.04  
Feriado no cinema

Aproveitei o feriado pra fazer uma das coisas que mais gosto na vida: ir ao cinema.

O primeiro filme que eu vi foi o documentário Fala Tu. O filme mostra três pessoas que tem em comum a paixão pelo rap, mas devido ao dia a dia de trabalho (e desemprego) não podem viver apenas da sua música.

Destaques dos destaques para Macarrão (33 anos, apontador do jogo do bicho, morador do morro do Zinco no Estácio e torcedor do Fluminense). A história dele é maravilhosa e vale o ingresso.



Macarrão


O outro filme foi a animação francesa As bicicletas de Belleville. Bem, eu achei que o filme fosse totalmente diferente - eu até cismei que a mãe do cara era a avó dele, tal era minha 'outra idéia' de filme. Achei que ia rolar imagens da França e tal, mas não foi nada disso. Acho que isso me frustrou. Eu também nem ia ver esse filme, só o assisti porque "O prisioneiro da grade de ferro" estava lotado. O que vale é a sacaneada que ele dá no estilo de vida americano. De resto, dá pra esperar lançar em dvd e assistir no seu lar doce lar.


Os obesos 'americanos'



(depois ainda teve sessão DVD com Matrix Revolution e Legalmente Loira 2)




   20.4.04  
Óbvio Ululante

Sendo hoje terça-feira véspera de feriado, choveu. Pois do contrário a chuva só cairia na sexta-feira. É lógico!



Foto:Paraty 2004
(o primiero lugar que eu penso quando escuto a palavra chuva)



   19.4.04  
Frase defeito

Como ando com preguiça de escrever vou deixar aqui uma dica de post, muito divertido, para vocês lerem enquanto eu me mantenho ausente: O Grande Épico da Páscoa.

* sim, a Fernanda citada na história sou eu mesma




   15.4.04  
Noite adentro...

Antes de dormir ela conferiu se havia trancado a porta. fechou a janela da sala, mas não toda. deixou uma fresta para entrar um pouco de ar. a medida que ia passando pelos cômodos ia apagando as luzes. cozinha, corredor, sala, outro corredor. entrou no banheiro e se olhou no espelho. deu um sorriso para verificar os dentes. escovo-os. quando se olhou novamente para o espelho reparou nas suas olheiras. "como estão grandes". quando criança achava olheiras interessante, passava um ar de intelectualidade ou algo do gênero, mas as dela não. olhando-as, percebeu que suas manchas debaixo dos olhos se assemelhavam mais ao cansaço do que uma suposta tendência culta. preferiu apagar a luz correndo... fez xixi no escuro, lavou as mãos no escuro, saiu logo do banheiro. entrou no quarto e foi até a janela ficou olhando a rua vazia. uma penumbra. os postes mal iluminavam a calçada tamanha era a quantidade de árvores. olhou um homem passar. o rapaz olhou para cima. não que tenha olhado para ela. o rapaz de jeans e camiseta levantou a cabeça sem porque. mas ela teve a certeza que ele sabia que estava sendo espiado. se escondeu atrás da cortina. correu até o interruptor e apagou a luz. voltou a janela. o rapaz não estava mais ali. havia sumido do seu campo de visão. sexto andar. "não dá pra ver muita coisa daqui". deitou na cama agarrada ao controle remoto da tv. tentou dormir. pensou no rapaz caminhando pela rua. pensou em quem seria, para onde ia e por que ele havia olhando para cima naquele momento. no exato momento que ela estava na janela. ligou a tv. ficou vendo, sem som, um filme. tentava adivinhar os diálogos. era uma brincadeira. quando o sono não vem e é preciso dormir qualquer artifício é válido. ficou uns 3 ou 30 minutos nesse jogo de adivinhação. trocou de canal. ia trocando rapidamente. parou no canal de venda de produto. deixou aí. virou pro lado e tentou fechar os olhos e dormir."aquele rapaz, de jeans e camiseta... quantos deles não devem existir?" a sua rua era pouco movimentada. quem passava lá de madrugada ou eram os próprios moradores ou eram gatunos de carros. "quem será ele?" "só alguém passando, eu também passo e não sou ninguém nos olhos de outras pessoas, apesar dessas imensas olheiras e caminhar bastante" eram pensamentos que precediam uma longa noite de insônia. era normal, ela nem se assustava mais com isso. sentiu sede, mas não teve coragem de levantar. o corpo pesava, a cabeça pensava e tudo parecia se mover numa velocidade absurda. "se eu tentar sair desse carrossel eu posso levar um tombo". permaneceu deitada e com sede. virou para televisão. secador multifunções por apenas 199,99 reais no cartão de crédito. olhou em direção da fresta da janela. uma leve brisa balançava a cortina. pensou no homem que passara, pensou nela, pensou em todos que passavam e ela não tinha conhecimento. lembrou de um velho namorado seu que um dia ao criticar seu jeito de querer tudo muito rápido disse: "não apresse o rio". era a citação de algum filósofo, algum discípulo de filósofo, pouco importava. lembrou de como se conheceram tão pateticamente num jantar dançante. os dois ali cumprindo as obrigações de trabalho. quando perceberam que os dois estavam ali por acidente, tiraram proveito disso e passaram a noite toda a comentar o modo de ser dos outros. com isso namoraram alguns meses. até que um dia ele falou:"não apresse o rio". para ela era apenas mais uma de suas observações tolas. tinha acabado de entender o que ele havia dito, sem porque entendeu o que queria dizer não apressar o rio. o movimento pelo próprio movimento, sem qualquer alteração. não adianta querer acelerar o que flui naturalmente, isso é antinatural. repetiu alto a palavra: "antinatural!" o homem de jeans e camiseta podia ser um rio, fluindo. o rio podia ser o homem, fluindo. ela podia ser o homem de jeans e camiseta. ela era o homem de jeans e camiseta caminhando pela aquela rua deserta e pouco iluminada, fluindo. ela era o rio que fluía sem alteração até o mar. ela, fluindo há séculos, andando há séculos, cansada, com suas olheiras cansadas, com sede, com a cabeça girando em mil pensamentos, cansados, com olheiras de ler livros na insônia, com olheiras de ver homens andando no escuro, no cansaço, com cansaço de alma. dormiu.


 
Associação Livre S.A.

Adoro fazer associações. Me acho muito esperta por conta disso, por sinal.

Então,...

Seria a música 'A day in the life' dos Beatles baseada no romance 'Mrs Dalloway' de Virginia Woolf??

ps: eu sei que não é, mas a minha associação tem lógica... acho que isso daria uma boa dissertação de pós-graduação.



   12.4.04  
O Ministério da Saúde adverte:



Fumar faz bem aos ouvidos



   8.4.04  
Esse é meu apelo

Muita gente que eu não conheço entra aqui, alguns pelo google com pesquisas muito estranhas (“6 de abril de 1036", "fotos de prostituta"), outros tantos que entram mudos e saem calados e os que comentam sem deixar nenhuma pista além de um codinome (por exemplo, como posso saber quem é mw?).

Todos são bem-vindos, os assíduos e aqueles que sem querer chegaram até aqui.

Eu acho legal que todos que fizerem comentários deixem algum contato:o endereço de e-mail, a homepage, ou algum recado no meu e-mail como os mais tímidos fazem.

Por que, às vezes, eu quero responder, continuar uma conversa, e se vocês não se identificam, fica difícil.

Então, estamos combinados!!





   7.4.04  
BBB4 - os finalmentes.

Como minha mãe disse:
Vota aí, vota aí!

Vota em quem, mãe?

Vota pro Jota Quest ir pra puta que pariu!


E o que foi pior:
O Jota Quest tocando ou o Bial dançando?

(e pra mim chega, vou é dormir, por que eu não ganhei 500 mil reais)



   6.4.04  
Rei bom é rei deposto

Não gosto do Péle. Não gosto mesmo. Para vocês terem uma noção do tamanho do meu não-gostar, eu mudo de canal quando ele aparece na TV, eu xingo toda a sua família a cada comentário seu, eu procuro todos os defeitos que eu possa achar, xingo as loiras que andam a tiracolo com ele e rio cada vez que ele ousa cantarolar qualquer coisa se achando O cantor. (eu acho que odeio mais o Péle do que o Jô Soares).

Mas hoje eu vi um trailler, no cinema, de um filme sobre o Pelé. E aí eu vi um clip com várias jogadas do cara. Nossa... eu me arrepiei toda vendo o domínio dele com a bola. Não que eu nunca tivesse visto os lances dele. Mas acho que a música ao fundo da cena, o telão, a sala escura (e o ar condicionado) me ajudaram a ficar arrepiada, impressionada e com vontade de assistir a esse filme. (não gosto do Péle hoje. Gosto dele antigamente, jogando bola e só, que fique bem claro).

Será essa a grande magia do cinema? Será?



   4.4.04  
E com vocês

Linger
(Vamos lá, todos cantando em alto e bom som. Em negrito são as partes que dão pra berrar bem).


If you, if you could return
Don't let it burn, don't let it fade
I'm sure I'm not being rude
But it's just your attitude
It's tearing me apart
It's ruining everything

And I swore, I swore I would be true
And honey so did you
So why were you holding her hand
Is that the way we stand
Were you lying all the time
Was it just a game to you


But I'm in so deep
You know I'm such a fool for you
You got me wrapped around your finger
Do you have to let it linger
Do you have to, do you have to
do you have to let it linger


Oh, I thought the world of you
I thought nothing could go wrong
But I was wrong
I was wrong

If you, if you could get by
Trying not to lie
Things wouldn't be so confused
And I wouldn't feel so used
But you always really knew
I just wanna be with you



And I'm in so deep
You know I'm such a fool for you
You got me wrapped around your finger
Do you have to let it linger
Do you have to, do you have to
do you have to let it lingeeeeeeer





   2.4.04  
Set list

Músicas que eu adoro cantar aos berros:

One - U2
Como nossos pais - Belchior
Pierrot - Los Hermanos
021 - Planet Hemp
Linger - Cramberries