Maria Fernanda
31 anos
Rio de Janeiro / Recife
email

Meu Fotolog

Eu leio

abobrinha
bocozices
montanha russa
meu outro eu
mudando de assunto
ornitorrinco
penso logo hesito
pururuca
mary w

 

Gulinias Antigas


Dezembro 2003

Janeiro 2004

Fevereiro 2004

Março 2004

Abril 2004

Maio 2004

Junho 2004

Julho 2004

Agosto 2004

Setembro 2004

Outubro 2004

Novembro 2004

Dezembro 2004

Janeiro 2005

Fevereiro 2005

Março 2005

Abril 2005

Maio 2005

Junho 2005

Julho 2005

Agosto 2005

Setembro 2005

Outubro 2005

Novembro 2005

Dezembro 2005

Janeiro 2006

Fevereiro 2006

Março 2006

Abril 2006

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Março 2007

Abril 2007

Maio 2007

Junho 2007

Julho 2007

Agosto 2007

Outubro 2007

Novembro 2007

Dezembro 2007

Janeiro 2008

Fevereiro 2008

 


Powered by Blogger




 


   30.11.07  



"Ah, quem me dera
Ir-me contigo agora
A um horizonte firme,
Comum embora
Ah, quem me dera amar-te
Sem mais ciúmes
De alguém em algum lugar
Que nem presumes

Ah, quem me dera ver-te
Sempre a meu lado
Sem precisar dizer-te
Jamais cuidado
Ah, quem me dera ter-te
Como um lugar
Plantado num chão verde
Para eu morar-te

Ah, quem me dera ter-te
Morar-te até morrer-te"



   26.11.07  
Eu poderia colocar aqui mais um vídeo, mas acho que não é o caso. Está de bom tamanho, né?

Eu poderia também contar do feriado que passou (15 de novembro), falar da minha viagem a João Pessoa, minhas impressões dessa capital, que mais parece o litoral norte do Rio de Janeiro, como Cabo Frio, por exemplo. Falar também do quão cafona é o espetáculo que criaram no pôr-do-sol, na praia, fluvial, do Jacaré (que não é em João Pessoa, mas é tão perto que você nem percebe que já saiu da cidade). Falar de Tambaba, a praia naturista, que nos aventuramos a ir.

Falar do terreiro que eu visitei nesse final de semana e assisti a uma cerimônia em homenagem a Iemanjá.

Ou então falar da feira de arte e artesanato que está rolando aqui no Recife, digo, Olinda, que eu tenho que ficar uns dias de plantão no stand do meu trabalho. Ou ainda neste assunto, falar como eu tive que escrever uns textos para o stand sobre Maracatu Nação e Rural (agora sei até diferenciar) e Bumba-Meu-Boi, sem nunca ter visto, ao vivo e a cores, essas manifestações culturais.

Também tem assunto do livro que eu li sobre Virgínia Woolf, que é bem chato mesmo. De como a escritora é pedante e conseguiu desperdiçar um material muito bom, o diário da empregada da Senhora Woolf, e escreveu um livro que nem o estilo ela consegue definir: é romance, é transcrição, é tese, é chatice, é o quê?

Também tem minha expectativa de ir ao Rio de Janeiro logo. Matar saudade da família, da cidade e de todas as pessoinhas e recantos que eu amo tanto e que vivem por lá. Minha passagem marcada pro dia 21 de dezembro que parece não chegar nunca. Até esta data eu tenho: um curso sobre Arte pra fazer, desmontar uma exposição, viajar – a trabalho – a Manaus, assistir um Congresso, além dos afazeres do “cotidiano diário”.

Tem tudo isso aí pra falar, e mais outras coisas, que minha amnésia habitual não me deixa lembrar de jeito nenhum, mas estou sem tempo. Fica a pauta (que nunca será desenvolvida).

É isso...



   12.11.07  
Aaaaaaaah, o tédio:

Até animação eu estou fazendo.
Sou uma artista, vocês não acham?




   8.11.07  
Meu laptop chegou. Mas eu não tenho internet ainda. Uma coisa de cada vez, senão vou a falência. Mas já arrumei um vício nerd. Passo o tédio do Recife fazendo videozinho no Video Maker.

Nasce uma cineasta!




   5.11.07  




   1.11.07  
Direito de ir e vir:

Coisa boa... aqui no nordeste as estradas não tem pedágio a cada metro.