Maria Fernanda
31 anos
Rio de Janeiro / Recife
email

Meu Fotolog

Eu leio

abobrinha
bocozices
montanha russa
meu outro eu
mudando de assunto
ornitorrinco
penso logo hesito
pururuca
mary w

 

Gulinias Antigas


Dezembro 2003

Janeiro 2004

Fevereiro 2004

Março 2004

Abril 2004

Maio 2004

Junho 2004

Julho 2004

Agosto 2004

Setembro 2004

Outubro 2004

Novembro 2004

Dezembro 2004

Janeiro 2005

Fevereiro 2005

Março 2005

Abril 2005

Maio 2005

Junho 2005

Julho 2005

Agosto 2005

Setembro 2005

Outubro 2005

Novembro 2005

Dezembro 2005

Janeiro 2006

Fevereiro 2006

Março 2006

Abril 2006

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Março 2007

Abril 2007

Maio 2007

Junho 2007

Julho 2007

Agosto 2007

Outubro 2007

Novembro 2007

Dezembro 2007

Janeiro 2008

Fevereiro 2008

 


Powered by Blogger




 


   30.7.05  
Pequeno(grande)achado de sábado a noite:

No cd 'Líricas' de Zeca Baleiro tem uma música chamada 'Nalgum Lugar'. Na verdade essa belíssima música é um poema de E.E. Cummings (traduzido por Augusto de Campos). No final do cd Zeca Baleiro explica o porque de ter musicado esse poema:

"Há muito anos, vi no cinema 'Hanna e suas Irmãs", filme de Woody Allen, em que o personagem de Michael Caine, apaixonado pela irmã de sua mulher, a presenteia com um livro do poeta americano E.E. Cummings. A certa altura, ela abre o livro e lê um poema de amor lírico e comovente. Passei muito tempo com o eco daquele poema na minha memória..."

SIM SIM SIM. Eu me lembro do filme (claro, é Woody Allen e eu sei decor e salteado sua filmografia), eu lembro do personagem, eu lembro dessa cena. Eu lembro que eu fiquei maravilhada com o poema, eu lembrava que em algum lugar havia uma musica desse poema. Agora pouco, remexendo os cds, achei o 'Líricas'que há muito eu não ouvia. E lá estava:

nalgum lugar em que eu nunca estive, alegremente além
de qualquer experiência, teus olhos têm o seu silêncio:
no teu gesto mais frágil há coisas que me encerram,
ou que eu não ouso tocar porque estão demasiado perto

teu mais ligeiro olhar facilmente me descerra
embora eu tenha me fechado como dedos, nalgum lugar
me abres sempre pétala por pétala como a primavera abre
(tocando sutilmente, misteriosamente) a sua primeira rosa

ou se quiseres me ver fechado, eu e
minha vida nos fecharemos belamente, de repente
assim como o coração desta flor imagina
a neve cuidadosamente descendo em toda a parte;

nada que eu possa perceber neste universo iguala
o poder de tua intensa fragilidade: cuja textura
compele-me com a cor de seus continentes,
restituindo a morte e o sempre cada vez que respira

(não sei dizer o que há em ti que fecha
e abre; só uma parte de mim compreende que a
voz dos teus olhos é mais profunda que todas as rosas)
ninguém, nem mesmo a chuva, tem mãos tão pequenas.


 
Chega! Que mania é essa. Tira os CDs da Marisa Monte do som. Que obsessão obsessiva é essa? Liga o rádio... e ele toca "Pousa-se toda Maria no varal das 22 fadas nuas lourinhas...". Desisto.



   29.7.05  
A Sua
(Marisa Monte)

Eu só quero que você saiba
Que estou pensando em você
Agora e sempre mais

Eu só quero que você ouça
A canção que eu fiz pra dizer
Que eu te adoro cada vez mais
E que eu te quero sempre em paz

Tô com sintomas de saudade
Estou pensando em você
E como eu te quero tanto bem
Aonde for não quero dor
Eu tomo conta de você
Mas, te quero livre também
Como o tempo vai
E o vento vem

Eu só quero que você caiba
No meu colo
Por que eu te adoro cada vez mais

Eu só quero que você siga
Para onde quiser
Que eu não vou ficar muito atrás



   28.7.05  
Central de Informações

Vou commeçar a cobrar os telefonemas que eu recebo pedindo informações de itinerários.

- Alô, nanda, que ônibus que pego pra ir nãoseiaonde?

- Oi, qual é o melhor caminho pra chegar no quiprocó?

Eu devo ter mesmo cara de Guia Rex. Mas pensando bem, seria uma boa renda se eu vivesse disso.



   27.7.05  
Batman Begins
Eu que não gosto dessa palhaçada de super heroí, histórinha em quadrinho e blá blá blá de bem contra o mal, e vamos salvar o universo... até que gostei do filme. Mostra como surgiu o simbolo, a roupa, o cinto o carro do Batman... várias coisinhas interessantes. Mas, putz, aquela crise do cara se achando culpado pela morte do pai... porra, uma boa sessão de terapia resolvia o problema e nem era preciso de filme.



   23.7.05  
Então... em Ouro Preto:

* Reencontrei pessoinhas
* Conheci outras
* Cai de queixo naquelas ladeiras (situação normal de ser humano etilizado)
* Perdi minha touca na primeira noite (idem)
* Fui a um coquetel de inauguração de exposição no Museu da Inconfidência
* Visitei a cidade de Mariana
* Bebi muita Skol e comi a melhor coxinha de galinha do mundo no 'Barroco'
* Fiz várias filmagens da cidade
* Fiz várias filmagens engraçadinhas com a Rosa (dona da casa) e o Marcio (que foi no final de semana)
* Assisti ao espetáculo 'Pinóchio" da Cia Giramundo (adorei!)
* Vi filmimhos em DVD nas teneborsas tardes de muuuuuuuito frio
* Li nas escadarias de algumas igrejas
* Fiz aula de spinning (o que me causou uma eterna dor na perna)
* Assisti a um showzinho de Jazz e uma cantora cubana (não lembro o nome) no 'Café Tina'
* Dei pinta e me acabei de dançar no novo point de Black Gold, 'Porão 13' (ou para os íntimos, 'o bar da Gi')
* Degustei o delicioso vinho chileno 'Cantina de la sierra' envelhecido em tonéis de plástico dentro da geladeira (hehehe)
* Criamos, eu e Rosa, várias novas 'graces' que nos fizeram rir muito e nos diverti bastante

Tantas coisinhas simples, mas tão valiosas que só a lembrança acabam compensando as sete horas maldita de viagem de volta na estrada esburacada dentro do ônibus "treque treque".



   14.7.05  
E lá vou eu de novo para o meu segundo lar...
Vou ali em Ouro Preto e já volto.



   12.7.05  
Essas pessoinhas que vem e vão, vem e vão...
Essas criaturinhas que sei lá porque aparecem na sua vida...
E depois vão embora...
Deixam uma saudade...
E tantas reticências...



   11.7.05  
Oriente
(Gil)
Se oriente, rapaz
Pela constelação do Cruzeiro do Sul
Se oriente, rapaz
Pela constatação de que
A aranha Vive do que tece
Vê se não se esquece
Pela simples razão
De que tudo merece
Consideração
Considere, rapaz
A possibilidade de ir pro Japão
Num cargueiro do Lloyd lavando o porão
Pela curiosidade de ver onde o sol se esconde
Vê se compreende
Pela simples razão de que tudo depende
De determinação
Determine, rapaz
Onde vai ser seu curso de pós-graduação
Se oriente, rapaz
Pela rotação da Terra em torno do Sol
Sorridente, rapaz
Pela continuidade do sonho de Adão



   10.7.05  
Angelique me mandou esse questinário.
Eu sempre fico tensa quando tenho que responder questinário. Como se uma escolha errada ou o esquecimento de algum filme fosse alterar o rumo da minha vida. Sem falar que eu li a resposta dos outros, aí rola aquela influência.
Mas vamos lá... sem pensar muito


1) Qual o seu filme favorito?
Annie Hall, Woody Allen (não foi influência da sua respota Angélica, vc sabe que esse é o melhor).

2) Qual o último DVD que você comprou?
Putz... eu não compro DVD. O último na verdade foi o primeiro... um lote de 3: "Fale Com Ela", "Clube da Luta" e "Meninos não choram". (o resto eu pego com a minha irmã, que compra todo dia uma coisa nova. Coisa boa!!!!).

3) Quais os 5 últimos filmes que você viu?
Animações do Anima Mundi, 9 canções, Melinda Melinda, A Queda, Acontece nas melhores familias (na TV) e Apocallypse Now (DVD).

4) Qual o melhor filme brasileiro de todos os tempos?
Bicho de sete cabeças

5) Qual o seu diretor/ator/atriz e o seu gênero favoritos?
Woody Allen, Johnny Deep, Julia Roberts. Nem sei os gêneros que existem... mas sei lá, qualquer coisa que faça você pensar e descobrir algo novo.



   7.7.05  
"...eu vou pagar a conta do analista
Pra nunca mais ter que saber quem sou eu.
Pois aquele garoto que ia mudar o mundo
Agora assiste a tudo em cima do muro."



   6.7.05  
Vício do Orkut

Comunidades que pensei em criar no orkut (se já não existirem)

* Eu compro o ingresso do cinema e depois perco

* Tem sempre alguém estalando do meu lado no metrô (ou ônibus ou qualquer meio de transporte coletivo)

* Eu desço do ônibus se eu vir uma barata

* Eu falo gracinhas para o garçom (na verdade eu falo gracinha pra todo mundo)

* Eu tenho preguiça de descascar laranja (ou minha mãe descasca a laranja pra mim)

* Eu tenho medo da porta automática não abrir

* Eu como pipoca que nem gato

* Eu não sei calcular porcentagem

* Eu odeio quem usa carrinho em mercado pequeno

* Eu leio livros inteiros em livrarias

* No meu prédio tem sempre uma obra

* Ninguém leu Ulisses de James Joyce



   5.7.05  
E se (Chico)

E se o oceano incendiar
E se cair neve no sertão
E se o urubu cocorocar
E se o Botafogo for campeão
E se o meu dinheiro não faltar
E se o delegado for gentil
E se tiver bife no jantar
E se o carnaval cair em abril
E se o telefone funcionar
E se o pantanal virar pirão
E se o Pão-de-Açúcar desmanchar
E se tiver sopa pro peão
E se o oceano incendiar
E se o Arapiraca for campeão
E se à meia-noite o sol raiar
E se o meu país for um jardim
E se eu convidá-la pra dançar
E se ela ficar assim assim
E se eu lhe entregar meu coração
E meu coração for um quindim
E se o meu amor gostar então
De mim



   2.7.05  
Em casa sozinha...

Ligo o rádio no quarto bem alto.
Me sento na poltrona da sala.
Ligo a televisão.
E almoço.

Adoro!!!!!



   1.7.05  
...

Hoje eu acordei etendiada e tive vontade de escrever um romance, mas eu não tinha idéia de como criar um personagem. Eu vasculhei cartas velhas, remexi algumas lembranças para me causar inspiração, mas o que eu encontrei foi apenas tristeza. Como se vestiria um personagem triste como eu? Como pensaria um personagem triste? Ele andaria devagar pelas ruas e rezaria a noite a deus? Ele teria um rosto belo ou uma feiura atraente? Ele apreciaria os vôos dos pássaros e invejaria a sua liberdade? Como criar um personagem triste? Ele seria um homem ou uma mulher? Usaria óculos para esconder seus olhos tristes? Eu preciso de alguma dica, mas não quero me olhar no espelho, nem tão pouco despir minhas emoções em folha de papel. Eu quero escrever um romance que não tenha vínculo com a minha vida, isso seria possível? Como eu posso criar um persoagem triste esquecendo que sou triste também? Suas mãos não poderiam ser finas e medrosas, pois as minhas já são assim. Não poderia carregar uma bolsa com a agenda com compromissos adiáveis (mas que ele jura ser importante), pois essa sou eu. Como inventar a tristeza esquecendo da tristeza real? Apenas com o silêncio que poderei atingir qualquer tipo de emoção. Eu permanecerei em silêncio até que uma exploção de sentimentos me tire do ostracismo e me deixe criar algo triste alheio a minha real tristeza de agora.