Maria Fernanda
31 anos
Rio de Janeiro / Recife
email

Meu Fotolog

Eu leio

abobrinha
bocozices
montanha russa
meu outro eu
mudando de assunto
ornitorrinco
penso logo hesito
pururuca
mary w

 

Gulinias Antigas


Dezembro 2003

Janeiro 2004

Fevereiro 2004

Março 2004

Abril 2004

Maio 2004

Junho 2004

Julho 2004

Agosto 2004

Setembro 2004

Outubro 2004

Novembro 2004

Dezembro 2004

Janeiro 2005

Fevereiro 2005

Março 2005

Abril 2005

Maio 2005

Junho 2005

Julho 2005

Agosto 2005

Setembro 2005

Outubro 2005

Novembro 2005

Dezembro 2005

Janeiro 2006

Fevereiro 2006

Março 2006

Abril 2006

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Março 2007

Abril 2007

Maio 2007

Junho 2007

Julho 2007

Agosto 2007

Outubro 2007

Novembro 2007

Dezembro 2007

Janeiro 2008

Fevereiro 2008

 


Powered by Blogger




 


   27.6.07  
Ela escreveu...

"...tinha uma mulher que lia Caras e reparei na unha do pé dela, feita. vermelha, eu acho. e na hora me veio a imagem dela, na manicure, imaginei o qué qué qué...e pensei ''quanto qué qué qué existe numa unha feita?''. daí, ao lado tinha um cara, com um tênis igual ao teu..imaginei ele tirando o sapato carcomido na loja, experimentando o novo, curvado, calçando com a ajuda do dedo polegar e olhando pra cima, como se no teto fosse estar escrito ''confortável'', levantar, testar, olhar de novo pro conjunto, se achar bonitão e levar o tênis. ''um tênis dura quantos passos ?''



   21.6.07  


VISITAÇÃO de 21 de junho a 31 agosto
de segunda a sexta das 9h às 17h
sábados e domingos das 13h às 17h

Museu do Homem do Nordeste
Av. 17 de Agosto, 2187, Casa Forte, Recife - PE
informações/fone: 3073.6332



   14.6.07  


"Os homens agrupam-se por si próprios em categorias.
Será que as nuvens podem escolher, afinal, se pertencem a um ou outro grupo da tempestade? Se carregarão eletricidade negativa ou positiva? É bem verdade que os homens não são nuvens. Enquanto indivíduos fazemos parte de um todo que constitui a humanidade. Nesta humanidade há partidos. Até que ponto é a vontade própria, até que ponto é a fatalidade das circunstâncias, que fazem com que pertençamos a um ou a outro partido?"
Van Gogh