Maria Fernanda
31 anos
Rio de Janeiro / Recife
email

Meu Fotolog

Eu leio

abobrinha
bocozices
montanha russa
meu outro eu
mudando de assunto
ornitorrinco
penso logo hesito
pururuca
mary w

 

Gulinias Antigas


Dezembro 2003

Janeiro 2004

Fevereiro 2004

Março 2004

Abril 2004

Maio 2004

Junho 2004

Julho 2004

Agosto 2004

Setembro 2004

Outubro 2004

Novembro 2004

Dezembro 2004

Janeiro 2005

Fevereiro 2005

Março 2005

Abril 2005

Maio 2005

Junho 2005

Julho 2005

Agosto 2005

Setembro 2005

Outubro 2005

Novembro 2005

Dezembro 2005

Janeiro 2006

Fevereiro 2006

Março 2006

Abril 2006

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Março 2007

Abril 2007

Maio 2007

Junho 2007

Julho 2007

Agosto 2007

Outubro 2007

Novembro 2007

Dezembro 2007

Janeiro 2008

Fevereiro 2008

 


Powered by Blogger




 


   31.1.08  
Após um ano vivendo em (no!) Recife fiz minha primeira incursão ao cinema sozinha.

Era um hábito meu no Rio de Janeiro, ir ao cinema, tendo ou não companhia. Mas como aqui tudo é mais dificultoso; como aqui essa coisa de pegar um ônibus e se perder pela cidade não é uma prática comum; como aqui todos parecem andar em par, dentro de carros; como aqui só tem cinema de shopping (e eu ODEIO shopping e ODEIO MAIS e MAIS cinema de shopping), eu relutava.

Aí tem um mini shopping pertinho da minha casa que eu vou a pé. Aí que esse cinema só passava filme infantil ou aquelas baboseiras americanas. Aí eu estava muito a toa um sábado a noite desses. Aí eu tinha pego o jornal e visto a programação. Aí, pra minha surpresa, eu vi que “Meu nome não é Johnny” estava passando lá. Aí eu fiquei pensando e pensando e acabei criando coragem e fui.
A sessão não estava cheia. Graças a deus! Eu era a única pessoa sozinha (loser!). Eu fui a única que saiu a pé do cinema (indignação!!!), pela garagem, porque depois das dez da noite só a garagem funciona.

Eu não sei se fui a única a chorar no filme, mas chorei.
Eu amei o filme. Amei a interpretação do Selton Mello. O sofrimento da Julia Lemmertz. O olhar da Cássia Kiss e os chiliques da Cléo Pires. Eu achei o filme humano, bem feito, na medida, simples e perfeito. Eu acho que todo mundo tem que assistir.

E foda-se Recife com sua lógica de cidade provinciana e burguesa, eu quero mais é viver em paz...e ver meus filminhos.



   10.1.08  
Tem blog ainda por aqui?
Tem, né?

Estive no Rio esse final de ano.
Eu fico tão deslumbrada por lá.
Esqueci até de continuar o post sobre Manaus.

Perdi o time...
Mas de volta a Recife tudo muda.

Mas quando essa terra daqui me angustía, com todas as "faltas" que eu sinto eu penso em Manaus... e concluo: podia ser pior...

Como disse uma carioca, moradora há 13 anos em Manaus:
O Brasil todo é ruim, mas aqui é um pouco pior.