Maria Fernanda
31 anos
Rio de Janeiro / Recife
email

Meu Fotolog

Eu leio

abobrinha
bocozices
montanha russa
meu outro eu
mudando de assunto
ornitorrinco
penso logo hesito
pururuca
mary w

 

Gulinias Antigas


Dezembro 2003

Janeiro 2004

Fevereiro 2004

Março 2004

Abril 2004

Maio 2004

Junho 2004

Julho 2004

Agosto 2004

Setembro 2004

Outubro 2004

Novembro 2004

Dezembro 2004

Janeiro 2005

Fevereiro 2005

Março 2005

Abril 2005

Maio 2005

Junho 2005

Julho 2005

Agosto 2005

Setembro 2005

Outubro 2005

Novembro 2005

Dezembro 2005

Janeiro 2006

Fevereiro 2006

Março 2006

Abril 2006

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Março 2007

Abril 2007

Maio 2007

Junho 2007

Julho 2007

Agosto 2007

Outubro 2007

Novembro 2007

Dezembro 2007

Janeiro 2008

Fevereiro 2008

 


Powered by Blogger




 


   29.3.06  
Trinta anos essa noite

Pedi ajuda para uma amiga, para ela me dar uma dica (conselho... coisinhas...) de um post de aniversário. Ela disse: "escreve tudo que você já fez trinta vezes". Eu acho que eu não fiz nada 30 vezes, nada de boa vontade pelo menos. Nada 30 vezes é bom...

No colégio o professor de educação física gritando: correr a quadra 30 vezes!!!! Que martírio.

Quanto é logarítmo de trinta? Zero na prova de matemática.

Cite 3 caracteristica da revolução de 30: lembrava de 2 e a terceira era a junção das duas em outras palavras (desde cedo tentando "truquear").

Escreva uma redação com no mínimo de 30 linhas sobre a economia do afeganistão. Aaaaaaaaaah , tu tá de brincadeira.

Trinta vezes, com certeza, eu fui para o colégio com meias de pares diferente, uma marrom claro outra marrom escuro.

Mais de trinta vezes, e poderia ser mais, eu comi a lasanha da minha avó, escutei as histórias de guerra do meu avô, briguei com minha irmã porque o brinquedo dela era melhor (apesar de igual), fiz "gulinia" com meu irmão, bati boca com meu pai, dei um susto na minha mãe (custa ligar minha filha, custa? pensei que tivesse acontecido algo com você).

T r i n t a

Trinta anos sob esse céu do Rio de Janeiro. Pôr do sol. Lua. Estrelas. Esquinas, túneis e asfalto.

Trinta anos de planos. Alguns realizados, outros engavetados, alguns frsutrados, mas sempre sonhando.

Trinta anos conhecendo pessoas, cores, cheiros, lugares, sotaques, letras, som, sensações, montanhas, praias, trilhas.

Trinta anos chorando, rindo, dando imensas gargalhadas, fazendo piadas de tudo e de todos, implicando com as pessoas que eu amo, ignorando os desafetos.

Trinta anos vendo nascer gente, vendo morrer, vendo renascer, crescer... crescendo sempre o pensamento.

Trinta anos, alguns com seriedade, outros de pura diverção.

Trinta anos... e se for para ser assim, como está sendo, que venham mais trinta e eu descubra mais trilhões de coisas (hehehehe) e me decepcione, aprenda, cai, levante, e sonhe e realize e sempre sempre sempre continuando...

(eu gosto da sensação)



   16.3.06  
Casais (baseado em fatos reais)

1)
Ela fuma
Ele não

Ela não esvazia o cinzeiro
Ele joga fora as guimbas e o cinzeiro junto

Ela se desculpa por não ter mais cinzeiro em casa

2)
Ela gosta de viajar
Ele não

Eles foram à França

Ele a fotografou em todos os monumentos
Ela tem 140 fotos desfocadas de Paris

3)
Ele dorme cedo
Ela vê TV até tarde

Ele reclama do som
Ela assiste a TV sem som

Ele diz que escuta o chiado do tubo de imagem
Ela diz que não pode ver a TV sem som e sem imagem, porra!


4)
Ele diz: eu te amo, né?
Ela o beija.



   13.3.06  
Sutilezas...

Vocês, às vezes, não têm a impressão de que algumas pessoas são como anjos?
Eu sim.



   8.3.06  
Mulheres cabeças e desiquilibradas...



Mais um dia... mas é o dia...
Parabéns!!!



   5.3.06  
...

Me diga agora que você está acordada: você acredita em sonhos, mesmo quando tudo parece estar perdido?
No que você se apega, em cores, letras ou sons?



   4.3.06  
De manhã eu voltei pra casa
Fui barrada na portaria
Sem filé e sem almofada
Por causa da cantoria
Mas agora o meu dia-a-dia
É no meio da gataria
Pela rua virando lata
Eu sou mais eu, mais gata
Numa louca serenata
Que de noite sai cantando assim
Nós, gatos, já nascemos pobres
Porém, já nascemos livres
Senhor, senhora ou senhorio
Felino, não reconhecerás.



   1.3.06  
Quem não chora não mama:

Na verdade meu carnaval começou no reveillon. Na virada do dia 31 para o dia primeiro muita serpentina foi lançada e muita marchinhas de carnaval tocada e "dançada".

Depois veio a maratona de ir ao CCC.

Então de repente, não mais que de repente, o carnaval já despontava:

Evoé Miscelânea no Odeon, Escravos da Mauá, Carmelitas, Bip Bip, Banda de Ipenama, Bangalafumenga, Cordão do Boitatá, Quizomba, Charanga 3D, todos os blocos aleatórios a cada esquina, os carros alegóricos (lindos lindos lindos) na Presidente Vargas, os clovis da Rio Branco, as "ciscadas máxima" na Lapa, Humaitá, Laranjeiras e qualquer outro lugar com aglomeração interessante.

Muita lama no pé (estou vacina contra a leptospirose), confetes e sepentinas, drinques preparados em qualquer ambiente, filas de banheiros, a procura por banheiro, mini bailes dentro do carro, ai que calor oô oô, a van do seu Dimas, o bloco de criança (o que é ter uma criança no colo no carnaval, heim? a dica é essa!!!), skol três por cinco (não é mito é realidade), as graces com kelly, as graces sem kelly, o 433, os "felipescos", o woodstock da Lapa, o deserto DE Saara, os salsichões insalubres, voz rouca a la Ivete Sangalo ("eu naõ"), o lixo extraordinário, a mulata bossa nova (caiu ou não caiu no hully gally?), muitos risos, muita alegria, a "azul", a "bárbara", a gravatinha, musa 1, 2, 3...

Resumindo o carnaval do Rio em uma palavra: S E N S A C I O N A L!


É isso. Voltemos a nossa programação normal...