Maria Fernanda
31 anos
Rio de Janeiro / Recife
email

Meu Fotolog

Eu leio

abobrinha
bocozices
montanha russa
meu outro eu
mudando de assunto
ornitorrinco
penso logo hesito
pururuca
mary w

 

Gulinias Antigas


Dezembro 2003

Janeiro 2004

Fevereiro 2004

Março 2004

Abril 2004

Maio 2004

Junho 2004

Julho 2004

Agosto 2004

Setembro 2004

Outubro 2004

Novembro 2004

Dezembro 2004

Janeiro 2005

Fevereiro 2005

Março 2005

Abril 2005

Maio 2005

Junho 2005

Julho 2005

Agosto 2005

Setembro 2005

Outubro 2005

Novembro 2005

Dezembro 2005

Janeiro 2006

Fevereiro 2006

Março 2006

Abril 2006

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Março 2007

Abril 2007

Maio 2007

Junho 2007

Julho 2007

Agosto 2007

Outubro 2007

Novembro 2007

Dezembro 2007

Janeiro 2008

Fevereiro 2008

 


Powered by Blogger




 


   30.10.04  
Alguma invenção
Que faça o tempo parar esta tarde
Quando se for o sol
Que a luz desse dia nunca acabe


Bem que meu pai falou: minha filha, ou você é da night (ele usou essa palavra) ou você é ecológica. Então, quando o despertador tocou logo depois deu ter chegado em casa, eu fiquei um tempo olhando para as horas (sete e meia da manhã) me perguntando o porquê daquele pi pi pi em pleno sábado. Aí eu lembrei que havia marcado de fazer uma trilha no Morro da Babilônia e que antes de sair de casa eu havia colocado o despertador pra tocar.

Olhei pela janela e vi um céu azulzinho, azulzinho. Isso me empolgou, tomei um banho e criei coragem para sair de casa.

E lá fui eu: tênis, mochila, água e barrinha de cereal.
Subimos o Morro da Babilônia pela Ladeira do Leme (ali atrás do Rio Sul) e, depois de pecorrermos a trilha, saímos no Forte do Leme.

Não preciso dizer que a vista lá de cima é maravilhosa. De um lado Copacabana, Dois Irmãos, Cristo, Pedra da Gávea. Do outro lado: Urca, Botafogo, Enseada, Centro, Niterói e ao fundo dos fundos, Teresópolis.

Copacabana do alto até engana: aquele marzão, aqueles prédios e mais prédios e a Nossa Senhora de Copacabana tudo parecendo muito calma e tranquilo. Do alto tudo fica silencioso, né?

Tirei muitas fotos. Ri bastante (principalmente quando uma velhinha do grupo me ultrapassou...), aproveitei muito toda a vista e peguei bastante sol que, por sinal, estava na medida certa (minha cor de escritório e minhas olheiras estão bem amenizadas).

No final de tudo, o chopp amigo não podia faltar. Dia perfeito. Sol perfeito. Rio de Janeiro perfeito.



   24.10.04  
A emenda é pior que o soneto

1- Apagar algma coisa escrita a caneta com corretor a base de água.

2- Beber para afogar as mágoas.



   20.10.04  
Piu!
(para Marianne)


A gente (a gente, eu) renega o Orkut, fala mal de tudo quanto é tecnologia, reclama disso e daquilo e quando percebe está ali viciada na tela do computador e achando o máximo encontrar pessoas que foram muito importante na sua vida e que por alguma razão (essas coisas da vida) foram ficando para atrás.

Aí aparece hoje uma mensagem lá no Orkut da Marianne.

Marianne é aquela leonina clássica: vaidosa, que muda a cor do cabelo a toda hora. Gente fina para caralho, engraçada, bem humorada, que sabe como contar uma história (e como ela tinha história pra contar), que sempre estava tendo idéias mirabolantes (que claro, nunca davam certo - hahahaha, mas isso que era o divertido), sempre tinha um apelido pra cada pessoa, prestativa, educada e com frases impactantes.

Eu nem sei precisar quanto tempo eu conheço a Marianne, quantas vezes perdemos contato e quantas outras, por terceiros, nos aproximamos novamente. Eu só sei que na porta do meu armário tem uma foto de colégio da terceira série em que tem nós duas.

E no meu quarto ainda tem outros vestígios que me fazem lembrar dela: um ursinho panda que ela me deu (de quando ela cismava de me chamar assim) e uma galinha em pedra sabão escrito "Monumento à Nanda" (a gente trocava presentes galináceos uma com a outra).

E são tantas histórias que passamos juntas. No colégio, na UERJ (na época a gente nem estudava lá. na verdade a gente frequentava a faculdade de comunicação na aba de angelique e uma outra menina de lá, amiga incomum), em viagens, carnaval, em noitadas, em mesa de bar, no dia a dia tijucano, em festinhas na casa dela ou na minha (eram clássicas essas festas)... um sem fim de coisas.

Mariannae casou. Eu não fui no casamento. Marianne teve uma filha. Eu não fui visitá-la. Marianne surge no Orkut. Não vou perder a oportunidade agora de reencontrá-la.

Ah, para finalizar: foi com a Marianne que começou a minha mania de anotar frases esdrúxulas que nossos inteligentíssimos amigos falavam. Tenho mais de 300 frases, que vão do ano de 94 a 2000. Escolhi algumas minhas e da Marianne (agora tentem imaginar o que era a gente conversando):



1- Exemplo de animal do Pantanal.
Nanda: Tuiuti (tuiuiú). Jun/00

2- Ele deu uma volta de 380 graus.(360) NANDA

3- Tem que botar orégano na rabanada. (erva-doce) NANDA dez/94

4- Olha uma passeata de caminhão! NANDA Maio/99

5- Ele abriu tanto a boca que deu pra ver o útero dele. NANDA Abr/99

6- Esse aqui é o MAC, o Museu de Arte Moderna. NANDA Abr/99

7- Se a Escola Vila Isabel cair, o Martinho da Viola vai ter um troço. MARIANNE

8- Quando eu falo onde, não é onde... é como! MARIANNE Jan/99

9- Passaram quatro meses: abril, maio, julho e agosto. MARIANNE Out/98

10- Eu não entendo nem coisa que eu entendo. NANDA, a enigmática Out/98

11- Ela é muito falatória. MARIANNE Jun/98

12- Eu vou acender uma vela de sétimo dia. NANDA Jun/98

13- Minha mãe quando soube quase soltou os cabelos! (soltou os cachorros ou arrancou os cabelos) MARIANNE Abr/98

14- Tá certo mas tá errado. MARIANNE conferindo uma conta. Abr/98

15- Nanda, você podia fazer dublagem de algum personagem, como o Snoopy! (snoppy não fala) MARIANNE, abr/99

16 - Paulinho, você está muito sererepe. (risadas) eu falei SE-RE-RE-PE! MARIANNE






   18.10.04  
!!Eu quero sossego!!

Minha chefe voltou de férias. Meu deus, como ela grita. Já chegou reclamando, com comentários pesimista sobre tudo... nossa, que onda ruim dessa mulher que não vai embora. E eu ainda tenho que passar oito horas seguidas com ela. Só com o corpo fechado para não ser atingida.

(aí ela perguntou como estava meu problema de estômago. eu tive vontade de falar: "com certeza vai piorar...").


 
Comer comer é o melhor para fazer crescer (para os lados)

A Rochelle veio para o Rio e fez uma lista de coisas que ela queria fazer aqui.
Começou com a simples vontade de chegar em casa e ligar para o China in Box e pedir comida (serviço que Ouro Preto não oferece. Agora, pergunta se não entregam cerveja em casa: claro!) e desencadeou uma grande orgia gastronômica:

Ir ao Mc Donald
Ir ao Spolleto
Comer o pastel da Lapa (fechou o boteco do seu ex-claudio. que decepção. o Programa Lapa com Pastel foi por água abaixo)
Comer batata inglesa
Rodízio Japonês (eliminamos esse item ontem)
Frango assado de padaria
Comer peixe no mercado de peixe de Niterói

Quando ela terminou a lista eu perguntei se ela pretendia fazer algo diferente de comer. Aí ela respondeu:

"Ah, tenho que ver as novidades no supermercado. Não vou comer aqui... vou levar para Ouro Preto, lá não tem produtos pra cozinhar decentemente."

Então tá, então.

ps1: o bom que eu posso falar qualquer coisa aqui da Rochelle porque ela não lê isso mesmo.
ps2: em tempo, Rochelle não é uma obesa, muito pelo contrário, está com a barriga tábua de passar, mas não sei até quando...



   17.10.04  
$$$

Se eu fosse paga cada vez que atravessasse o túnel rebouças eu estaria muito, mas muito rica!!


 
"Ela quer viver sozinha
Sem a sua companhia
e você ainda quer essa mulher..."


E ontem mais uma vez me esguelei quando o Arnaldo Antunes cantou "judiaria" e "fora de si". Pois essas músicas são cartase pura e isso faz um bem. Equivale mais ou menos a um mês de analise.




   15.10.04  
Sai TPM!

Acordei dando patada na própria sombra. Depois acalmei e tomei um café da manhã feliz. Na hora de sair de casa xinguei a chuva fina que caia dizendo: "que saco, não tem nada que chover, não vou ficar carregando guarda-chuva !! Sai sem guarda-chuva, reclamando que ia chegar no ponto de ônibus molhada. No caminho do trabalho, melancólica, escutei aquela música da Maria Rita da abertura da novela das oito no walkman e tive que segurar o choro. Cheguei no Museu e fumei um cigarro. Trabalhei. Ligam para o meu celular me chamando para o teatro mais tarde... não respondi nem que sim, nem que não. Impossível prever meu humor até lá. Fiquei em estado catatônico escutando no rádio aquela música do Gilberto Gil: "vamos fugir, desse lugar..." O pensamento foi longe. E assim o dia vai passando...



   13.10.04  
Quem não viu tá perdendo

Eu odeio filme porradaria. Não é nem questão de odiar, deixa eu explicar melhor; eu na verdade, não acho a mínima graça. Tudo é tão óbvio. Estou falando isso porque acabei de assistir Kill Bill 2 e estou estasiada, sério mesmo. Estou me sentindo uma caipira que foi pela primeira vez ao cinema. Tudo se encaixa: as maravilhosas imagnes, o som, a música, os diálogos, os cortes, a ironia, o sangue escorrendo, o suspense, aquela vontade de querer saber e a trama ir calmamente se desenvolvendo com os diálogos tarantinescos. Uma beleza. Sem contar com a estonteante Uma Thurma.

O volume um da saga eu também amei. E olha que o filme devia ter 10 falas no total e o sangue jorrava e Uma Thurma com aquela roupinha amarela dava com o sabre em todo mundo e mais sangue jorrava; e mesmo assim eu adorei. Porque era tudo muito bem feito e havia uma ironia em tudo e também ficou a curiosidade de: "como vai acabar essas história".

Me segurei que me segurei para não ceder a tentação e ver o filme em DVD. Eu queria um telão de cinema, com um aquele som que sai de tudo quanto é lado. Hoje não aguentei e saí do trabalho direto para o cinema e estou encantada até agora com o que eu vi (como se aquela piscadela que a Uma Thurma dá no final dos créditos fosse para mim).



   12.10.04  
Acabou a graça do feriado :(

Pronto, cheguei de Ouro Preto. E como qualquer pessoa normal, eu preciso de um outro feriado para poder me recuperar.

A viagem foi maravilhosa. Quatro dias daquela vidinha mais ou menos. muuuuuuita cerveja (barata ou de graça), churrasco (porque o corpo precisa ingerir algo diferente de líquido), e muita música no máximo possível do volume (por que eles escutam tão alto? ainda não entendi).

Agradecimentos a Rochelle (minha amiga do Rio que agora mora lá) que fez strognoff para mim (sem falar na hospedagem, é lógico) e Rosa (também do Rio, mas agora lá) me fazendo passar mal de tanto rir.

E como diz os ouro pretanos (é isso mesmo? acabei de inventar): aqui não tem MAR, mas tem BAR. Eita, como aquele povo bebe, sô? E haja perna para tanta ladeira.

Estou meio out de tudo (estou em outro ritmo). Depois escrevo algo melhor.



   8.10.04  
Quando não se tem mais nada
Não se perde nada
Escudo ou espada
Pode ser o que se for livre do temor


nando reis / arnaldo antunes





   7.10.04  
Há muito não entrava no Orkut, aí hoje de bobeira fui lá. E fuxica dali, fuxica daqui, cheguei até a comunidade: Mestrado causa traumas?

Estou rindo até agora de alguns tópicos de discussão. Por exemplo: "Não consigo terminar a maldita da conclusão"; "Quais substâncias vocês estão recorrendno?"; "Pergunta irritante: como vai o mestrado?", "O que é pior REDIGIR ou CORRIGIR a dissertação", "A crise de travamento"... e assim por diante.

Mas a que eu mais me identifiquei foi: Onde está o seu orientador?. Nossa, na época do mestrado eu surtava com a minha orientadora, que sumia, não respondia meus e-mail e quando aparecia não dizia nada, mudava uma coisa numa semana e na semana seguinte voltava atrás. E eu tinha a ligeira impressão q ue ela não escutava o que eu falava, pois ela concordava com todas as sandices que eu dizia. Depois de muita crise e me decidir me auto-orientar, consegui terminar, concluir, defender esse tal de mestrado.

Tudo agora não passa de uma grande piada (mas um certo trauma da vida acadêmica ainda está no ar).

E é bastante divertido ler coisas do tipo como essas:

No meu laboratorio, a gente apelidou meu orientador de Mestre dos magos! Ele surge do nada, fala uma coisa que vc não entende e some antes de vc conseguir perguntar alguma coisa pra ele!!!

E uma responde:

Já eu só consigo ver o meu orientador no elevador da faculdade.




   6.10.04  
Minha mãe acha que incenso é maconha

Minha mãe proibiu meu irmão de tomar coca-cola, pois em sua fórmula tem cocaína. Toda vez que ela me vê com um copo do refrigerante na mão ela olha para mim como se eu fosse uma viciada.


 
Festival X

Coffe and Cigarette, de Jim Jarmusch, é um filme... vamos dizer assim, cool !
São vários episódios com muito café, cigarros, conversas nosense com um cast muito bom: Bill Murray, Jack White, Jack White, Meg White, Steve Buscemi, Cate Blanchett, Iggy Pop e mais uma galera.
Muito bom, tomára que entre no circuito para todo mundo poder ver.

Bem, o Festival está chegando ao fim. Quinta-feira assisto o último filmeco: Visões da Europa. São vários curtas metragem, de cinco minutos, de vários países da Comunidade Européia. Parece legal, não?



   4.10.04  
Festival VIII, XIX...

Sem paciência pra ficar escrevendo sobre os filmecos.

Sábado foi a vez do novelão (no sentido pejorativo mesmo) O Princípio de Arquimedes e a egotrip Tarnation (que apesar de ser um filme 'eu e meu umbigo', é muito maneiro).

E domingo não teve filme, teve peça, Os Ignorantes com Pedro Cradoso. Estou com a mandíbula doendo de tanto rir.

E hoje...após o trabalho eu assisto Coffe and Cigarettes, estou achando que vai ser maior filmaço.

Aguardem notícias!



   2.10.04  
Festival VII

Novembro é o segundo filme de um 'jovem' diretor espanhol, Achero Mañas. Quando uma amiga me mandou, empolgadíssima, a sinopse do filme nem cogitei a possibilidade de vê-lo:

Jovem idealista decide criar uma arte capaz de fazer com que as pessoas se sintam mais vivas.

Logo pensei numa chatice só. Aquela coisa de artista tentando ser O diferente, algo experimental que transformaria a sessão de cinema em sessão de sonoterapia... essas coisas.

Mas como eu saí do trabalho e não tinha o que fazer, então resolvi ver qual é do filme. E tive que dar o braço a torcer a esta minha amiga (relutei, mas admiti que o filme era bom).

O filme fala de um grupo de jovens que cria uma companhia de teatro que faz apresentação na rua, sem aceitar qualquer dinheiro em troca. O objetivo deles é gerar reações nas pessoas, pois eles acham que no palco a platéia não reage, posto que, quem vai ao teatro já sabe o que esperar, nada é natural.

O filme é feito como se fosse um documentário, com depoimentos dos integrantes do ex-grupo teatral etc... achei esse artifício a coisa mais interessante do filme. Outro ponto positivo é a cidade de Madri como pano de fundo. Tirando umas frases feitas proferidas por alguns atores e algumas pieguices o filme superou minhas expectativas (que não eram nenhumas).



   1.10.04  
Variação sobre o mesmo tema

Eu até pensei em escrever sobre algo diferente de cinema, mas não dá.
Afinal, a Jandira, ontem, estava ou naõ estava vestida de "Kill Bill" no debate dos canditatos a prefeito?