Maria Fernanda
31 anos
Rio de Janeiro / Recife
email

Meu Fotolog

Eu leio

abobrinha
bocozices
montanha russa
meu outro eu
mudando de assunto
ornitorrinco
penso logo hesito
pururuca
mary w

 

Gulinias Antigas


Dezembro 2003

Janeiro 2004

Fevereiro 2004

Março 2004

Abril 2004

Maio 2004

Junho 2004

Julho 2004

Agosto 2004

Setembro 2004

Outubro 2004

Novembro 2004

Dezembro 2004

Janeiro 2005

Fevereiro 2005

Março 2005

Abril 2005

Maio 2005

Junho 2005

Julho 2005

Agosto 2005

Setembro 2005

Outubro 2005

Novembro 2005

Dezembro 2005

Janeiro 2006

Fevereiro 2006

Março 2006

Abril 2006

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Março 2007

Abril 2007

Maio 2007

Junho 2007

Julho 2007

Agosto 2007

Outubro 2007

Novembro 2007

Dezembro 2007

Janeiro 2008

Fevereiro 2008

 


Powered by Blogger




 


   31.7.07  
A ignorância tem dessas coisas...

- Irgmar Bergman morreu.

- Ué, de novo? Ele já não estava morto, não?

(meu deus, matei o homem antes da hora...)



   25.7.07  
Pernambucolismo:

Parece que Recife está dividido em casta. Tal como a Índia. Sendo que aqui, vez ou outra, você pode penetrar em alguma das castas que você não pertence, é só ter um convite, um passe livre, uma boa referência.

E falando em casta, me fez lembrar de casto, referente à castidade. Acho que ninguém come ninguém nessa cidade. Você sai a noite e quase não vê uma aproximação das pessoas, um olhar, um gesto. Você quase não vê “casal” se formando. Você encontra sim, vários casais, mas já vem tudo pronto de casa. Não existe também muito aquela coisa festiva de fazer amizade na noite. De alguém conversar com você a noite toda, juntar mesa, beber junto, dizer: “a gente combina”, e nunca mais ver o sujeito na vida; mas mesmo assim ter uma noite boa e até uma boa referência do lugar que você foi devido aquela noite. Não, aqui ninguém parece disposto a ser seu amigo... a não ser claro, se você for apresentado por um conhecido...

(não posso negar de como eu fui bem recebida nessa cidade. Pessoas ótimas que me abriram suas casas, que foram super solícitas comigo. Mas eu tinha a tal da referência e nem percebi. Agora, passado algum tempo, que vejo isso. Quando você quer ir mais adiante e simplesmente não consegue! Não me desfaço de ninguém que eu tenho aqui. Gosto de todos e eles, mesmo sem saber, que me fazem sentir que Recife vale a pena. Talvez eu tenha que saber “usar” melhor essa cidade. Eu ainda não entrei na lógica dela. Ou talvez tenha entrado, mas saído, simplesmente, por não me adaptar.)

Recife é um canteiro de obra. A quantidade de prédio que se ergue aqui é absurda. Eu fico pensando comigo mesma: “mas nem tem tanta gente nessa cidade pra morar nesses apartamentos todos!”. E são prédios imensos, de vinte, trinta andares ou mais. Vários deles, parece Gremilis se procriando. Mas os peões de obra não mexem com você. Não fazem gracinha. Onde já se viu isso! Achava que pra ser peão tinha que ser safado. Por isso me vem a idéia das castas. Você é peão, logo não pode se dar ao luxo de mexer com alguém que está passando na rua. Peão conversa com peão, e pronto! É tudo muito estranho. Esse regionalismo exacerbado, principalmente das classes intelectuais, daqui é muito estranho. Há algo de podre na “Casa Grande”!



   12.7.07  
Agora, a febre do momento, é:


Mestre Vitalino




   9.7.07  
Cinco meses em Recife, e minha casa tem:

cerâmica da Serra da Capivara, tigela de barro de Água Branca , tapetes e redes da comunidade de Sobradinho (no sertão nordestino), artesanato de madeira da Ilha do Ferro, cerâmica figurativa de Caruaru, colchas confeccionadas em tear manual, porta retrato rústico, luminária, porta chave, jogo americano, toalhas, tapetinho... tudo feito pelas mãos de artesãos nordestinos. É Pernambuco, Piauí, Alagoas, Ceará... praticamente uma FENNEART, no meu apartamento.

Pronto, agora só falta um sofá, uma estante, um rack pra tv e dvd... essas coisinhas...