Maria Fernanda
31 anos
Rio de Janeiro / Recife
email

Meu Fotolog

Eu leio

abobrinha
bocozices
montanha russa
meu outro eu
mudando de assunto
ornitorrinco
penso logo hesito
pururuca
mary w

 

Gulinias Antigas


Dezembro 2003

Janeiro 2004

Fevereiro 2004

Março 2004

Abril 2004

Maio 2004

Junho 2004

Julho 2004

Agosto 2004

Setembro 2004

Outubro 2004

Novembro 2004

Dezembro 2004

Janeiro 2005

Fevereiro 2005

Março 2005

Abril 2005

Maio 2005

Junho 2005

Julho 2005

Agosto 2005

Setembro 2005

Outubro 2005

Novembro 2005

Dezembro 2005

Janeiro 2006

Fevereiro 2006

Março 2006

Abril 2006

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Março 2007

Abril 2007

Maio 2007

Junho 2007

Julho 2007

Agosto 2007

Outubro 2007

Novembro 2007

Dezembro 2007

Janeiro 2008

Fevereiro 2008

 


Powered by Blogger




 


   29.10.06  
Mascote, você também pode ter um!

Estava eu aqui na internet procurando fotos de mascotes. Comecei pelos clássicos dos Jogos Olímpicos. Depois fui para os jogos PanAmericanos, onde já dava para perceber uma queda na qualidade dos mascotes (o nosso Cauê é o mais bem bolado). Então fui me empolgando e achei um site que tem uma penca de mascote, de jogos Asiáticos, Europeu, Universitários... aí que a coisa ficou divertida e totalmente sem noção. Era um festival de bichinhos que podem representar tudo, menos o que estavam tentando representar (sem falar nas obviedades tipo: Leo, the lion).

Então vamos lá:


Olimpíadas Senhor dos Anéis
País sede: Terra média
Mascote: Gollum


Jogos Atléticos dos
Odiadores das Aulas de Educação Física



Woodstock Games



Jogos da Liga Atlética dos Mal Vestidos



Syncronize Games



Olimpíadas Gay
(a mais concorrida)







   26.10.06  
Das maravilhas de ser pesquisadora:

Saiu no Segundo Caderno do Jornal O Globo, de segunda-feira, uma matéria sobre a descoberta de peças inéditas escritas por Cecília Meireles nos arquivos da Casa de Rui Barbosa.

Um trechinho de brinde:

"(...) e o pior é que parece que ninguém vê nada. Estão cada dia mais cegos, entendes? Vão e vêm, mas não enxergam. Não prestam atenção. Não amam o jardim. E por isso que o estragam. Nem sei o que vêm fazem aqui. Já não falo dos que passam por ele, a correr, porque têm hora marcada e isto é apenas um caminho. Falo dos que vêm para sentar. Pensas que estão reparando nos verdes e nos encarnados... que miram alguma borboleta ou algum passarinho? Que ficam por ali, como se estivessem pensando, e de repente, que fazem?"

Cecília Meireles (trecho da peça "O Jardim")



   23.10.06  
Vou te contar, heim?!?

Não consigo mais assistir a novela das oito (das dez, sei lá!). É muito pra mim. Regina Helena Duarte com aquela cara de botox fazendo voz e trejeitos de menina moça; o Bira, o bêbado da vez das novelas, com sua interpretação patética. Ele, o Bira, eu não sei o nome do ator que o interpreta (?), está tão mal no papel que eu não consigo diferenciar de quando ele está encachaçado de quando ele está "limpo".

Mas o que me dói mais, chega a me dar calafrios é aquele AMA. No início eu estava até pensando em mandar meu curriculo para lá. Acho que me daria bem. Teria apenas que forjar meu endereço. Lançar alguma coisa como, "Rua General Urquiza", "Humberto de Campos", "Sambaíba"... Poxa, o AMA é a empresa que mais emprega gente no Brasil. Porque eu deveria ficar de fora, só por não morar no Leblon. Isso não é justo!

Mas voltando, para não perder o foco. O que me irrita é o AMA com complexo de Bauhaus. Será que o Thiago Lacerda (também não sei o nome do personagem), o autor do projeto arquitetônico, não sabe que essa fórmula já está um tanto quanto desgastada? Que faculdade é essa que ele se formou? Que não ensina adaptar projetos "copiados"?Poxa, seu Tide, dá um jeito aí no filhão!

Cubo e estruturas de vidro. Grandes vãos, sem interferência de corredores e paredes dividindo o lugar. Divisões feitas em vidro para dar aquela sensação de continuidade, uma não interferência do espaço corrido. Assim é o AMA. Assim era o prédio sede da Bauhaus. Eu só sei que Kandisky, que dava aula na Bauhaus, foi logo se irritando com aquela visibilidade toda e logo providenciou uma espécie de insulfilm pra colocar na "sala" dele. E foi assim, aos poucos aqueles espaços foram se segmentando. Cada um querendo ter a sua particularidade e a sua privacidade.

Mas não... o AMA ainda é assim. Acha que isso funciona ainda. Pois deve ser uma maravilha você fazer aula de Ballet olhando todo mundo no Bistrô se enchendo de torta e café. Deve ser muito agradável também você ter aula de violão no meio de uma "sala de exposição", com a Ana Paula anfetaminada Arósio correndo e tagarelando pra lá e pra cá.

Que bom que eu não mandei meu currículo para lá. Estou mais pra planejar um atentado terrorista naquele Centro Cultural do que simpatizante do mesmo.

Aaaaaaaaaaah, sem falar nas aulas de capoeira dentro de uma sala com ar condicionado.
Putz... vou te contar!!!!



   22.10.06  
Descobertas da Semana
(ou, antes tarde do que nunca):

O ator Julio Adrião, na peça "A descoberta das Américas".




O fotógrafo Marcel Gautherot, na exposição "Aleijadinho e seu tempo: fé, engenho e arte".




A diretora de filme de animação (nossa, que título enorme esse) Michaela Pavlátová, na 2ª Mostra Livre de Animação Contemporânea.




   16.10.06  
Cá com meus botões:

"Quanto mais rápido somos empurrados para o futuro global que não nos inspira confiança, mais forte é o nosso desejo de ir mais devagar e mais nos voltamos para a memória em busca de conforto. Mas que conforto pode-se ter com as memórias do século XX? E quais são as alternativas?" Andreas Huyssen



   15.10.06  
G A T O S





   8.10.06  
Domingo lendo o jornal.
É isso aí, se até cachorro faz isso...

Ler o jornal de domingo consiste em:
Folhear a Revista de Domingo do Globo. Se tiver alguma matéria excepcional eu leio. Mas geralmente não tem. Então eu só vejo 'figuras' e legendas. A coluna do Xexéu eu costumava ler. Agora nem isso. Me encheu. Xexéu agora pra mim é um velho gagá que o Globo deixa escrever umas boboceiras já sem graça na última página da revista.

Pego o Segundo Caderno e vejo qual a matéria de capa. Era sobre a exposição de Aleijadinho, que vai inaugurar no final da semana no CCBB. Eu já sabia dessa exposição. Outro dia passei pelo CCBB, peguei o folheto de programação e vi lá: mês de outubro, Aleijadinho. Fiquei muito imaginando o CCBB repleto de esculturas, altares, oratórios barrocos. A matéria não me acrescentou em nada (e eu já sabia disso). É só li por que eu gosto de saber quem montou, como foi a pesquisa e tal... Essas coisas de museóloga.

Aí sempre dou uma bisbilhotada se tem alguma matéria de meu interesse no caderno Ilustrada, da Folha de São Paulo. As matérias da Folha são megas. Então você tem que ter um grau de interesse elevado pra poder ler. Hoje tinha uma que falava do Romero Britto. E lá fui eu me meter naquela discussão eterna de "o que é arte", comércio e esses blás blás blás...

Na verdade, acho de um simplismo equivocado chamar de arte uma gama tão grande de representações. Primeiro erro para mim é chamar de obra de arte uma pintura renascentista e uma pintura impressionista (isso para ficarmos nos exemplos mais claros). Porque desde que a arte conseguiu romper com os dogmas renascentistas a arte virou outra coisa... As duas não podem conter o mesmo significado. A Arte moderna é uma outra coisa (ou, a arte clássica é outra coisa). Quando a arte passa a falar da arte... Ah sei lá... Discussão mega. digna da Folha.

A matéria sobre Romero Britto nem estava lá essas coisas. Foi apenas bom pra eu entender um pouco mais desse universo Romero Britto.
Pernambucano, com influência do maníaco do Brennand. Tomou conhecimento de uns trabalhos de Keith Haring, Lichtenstein, Warhol e pintou (e pinta) frenéticamente. E aí está ele, colorindo vários espaços, embalagens, celebridades e por aí vai. Ele teve uma idéia, executou, teve boa receptividade e continuou fazendo. E vendendo. Simples assim.

Com Aleijadinho não deve ter sido diferente.

Ah, e uma olhadinha no caderno Boa Chance, pra ninguém dizer que eu não me esforço.



   1.10.06  

Lula - 13


"Sim, porque votar nulo ou em Cristovam é deixar de votar no menos pior e permitir que o muito pior vença.

Essa eleição tem um caráter plebiscitário e a direita já percebeu isso, seu discurso é "Alckmin ou o caos". E o plebiscito nem é sobre o governo Lula, mas sobre concepções diferentes de governar.

Ignorem as teorias conspiratórias sobre Opus Dei e etc e se concentrem no principal, o que efetivamente Alckmin faria se fosse eleito. Os sinais são claros: desmonte do Estado ("forte ajuste fiscal"), criminalização dos movimentos sociais, fascismo penal ("leis mais duras"), subserviência aos interesses dos Estados Unidos ("acordos bilaterais"), e uma gestão macroeconômica entregue na mão dos tecnocratas que quebraram o Brasil no governo Fernando Henrique. Dêem como certas, reformas previdenciária e trabalhista duríssimas, menor combate à miséria, volta da penúria nos orçamentos nas universidades federais, etc. Alckmin é a direita da direita."


(http://marcuspessoa.blogspot.com/2006/09/declarao-de-voto.html)